P.A.M. – Património, Artes e Museus

Início » nao pago » nao pago grande lisboa

Category Archives: nao pago grande lisboa

Open House Lisboa 2016

Via

Em 2016, antecipamos a abertura das portas dos melhores espaços de Lisboa. Passamos do Outono para o Verão e, com isso, ganhamos dias mais luminosos e uma distribuição equilibrada da programação da Trienal de Lisboa ao longo do ano.

Assim, o Open House Lisboa passará a acontecer no primeiro fim-de-semana de Julho. A edição de 2016 terá lugar nos dias 2 e 3 de Julho.

Venha conhecer uma selecção da melhor arquitectura de Lisboa!

ORGANIZAÇÃO

A Trienal de Arquitectura de Lisboa é uma organização sem fins lucrativos cuja missão é investigar, dinamizar e promover o pensamento e a prática em arquitectura. As edições que a cada três anos realizam um grande fórum de debate, reflexão e divulgação, são complementadas com uma actividade regular que inclui exposições, conferências e workshops, entre outros eventos.

Em co-produção com o Centro Cultural de Belém, realiza o ciclo Distância Crítica que apresenta 5 conferências de grandes nomes da arquitectura como Jacques Herzog (Herzog & De Meuron), Smiljan Radić, Kazuyo Sejima, entre outros.

Com sede no Campo de Santa Clara, tem desenvolvido a reabilitação do Palácio Sinel de Cordes que integra um pólo criativo com cinco residentes a par de uma programação de referência a nível nacional. Todos os anos, a Trienal promove o Open House Porto e o Open House Lisboa.

COMO FUNCIONA

O Open House é um evento internacional do qual fazem parte mais de 30 cidades em todo o mundo. Em 2012 a Trienal de Arquitectura de Lisboa implementou o conceito na capital de acordo com os seguintes objectivos e princípios base:

  • aproximar os cidadãos à arquitectura da cidade;
  • dar a conhecer espaços que habitualmente não estão abertos ao público;
  • organizar visitas gratuitas comentadas pelos autores ou especialistas convidados;

O sucesso da iniciativa prende-se com uma cuidadosa selecção dos edifícios que fazem parte do roteiro e por representar uma oportunidade única de dar a conhecer espaços icónicos da cidade, bem como as suas histórias e autores.

Durante o fim-de-semana do Open House Lisboa todos os espaços do roteiro são de acesso gratuito.

A maioria das visitas não exige reserva antecipada e é feita por ordem de chegada, com vista a facilitar a fluidez das entradas e permitir que um maior número de pessoas tenha acesso aos locais. Os casos excepcionais encontram-se devidamente assinalados no roteiro, com instruções de como proceder para fazer a reserva online da visita.

Seja a primeiro a conhecer o roteiro subscrevendo à nossa newsletter.

Existem três tipos de visita:

  • Visita Livre — visita ao espaço sem acompanhamento, dentro do horário estipulado;
  • Visita Acompanhada — visita ao espaço orientada pela equipa de voluntários Open House Lisboa;
  • Visita Comentada — visita ao espaço comentada pelo autor do projecto de arquitectura ou por um especialista convidado.

Para cada edição, contamos com uma entusiasta equipa de voluntários que acolhe os visitantes, fornece um olhar sobre o roteiro, dá sugestões ou faz recomendações adequadas a cada um.

#OPENHOUSELISBOA

Capture os momentos, ambientes e detalhes que mais despertaram a sua atenção e publique-os com o hashtag #openhouselisboa nas redes sociais.

Faça parte dos álbuns de memórias de cada edição. Contamos com uma participação crescente da comunidade OH Lisboa.

Site/Roteiros

Anúncios

Festival ao Largo 2016

Via

festival_ao_largo_2016

08 a 30 de JULHO 2016

Lisboa, Largo de São Carlos.
Entrada livre.

Programação

Download Programação

08th July / 30th July, 2016

Lisbon, Largo de São Carlos.
Free entrance.

Programming

Lançamento dos Cadernos do Arquivo Municipal n.º 5

cadernos_arquivo_municipal
O Arquivo Municipal de Lisboa vai lançar o quinto número da 2.ª série dos
Cadernos do Arquivo Municipal, revista científica com arbitragem por pares que
conta nesta edição com a coordenação da Professora Doutora Raquel Henriques da Silva, professora na Faculdade de Ciências Sociais e Humanas da Universidade
NOVA de Lisboa e coordenadora científica do Mestrado em Museologia nesta
Universidade.

Este número dos Cadernos do Arquivo Municipal é dedicado ao tema Histórias
de casas e de quem lá vive(u). Os dez artigos aprovados para publicação
abrangem um leque variado de temas desde a sociologia histórica, arquitectura,
património, história da arte e história patrimonial.

Os textos publicados são:
Palácio dos Estaus de Hospedaria Real a Palácio da Inquisição e Tribunal
do Santo Ofício
Delminda Maria Miguéns Rijo

A “Herdade de São Roque” do Convento da Trindade de Lisboa. A sua
origem e urbanização em 1554-1555 integrada no Bairro Alto e análise de
um dos seus lotes, o do Palácio dos Condes de Tomar antiga Hemeroteca
Municipal
João Miguel Ferreira Antunes Simões

O Palácio dos Marqueses de Alegrete à Mouraria: do Palácio ausente à
memória do sítio
Maria Alexandra Trindade Gago da Câmara / Teresa Campos Coelho

Palácio do Machadinho – As múltiplas vidas de uma casa
Hélia Cristina Tirano Tomás Silva / Tiago Borges Lourenço

Os palácios dos barões e viscondes de Zambujal em Setúbal e Lisboa
Maria João Pereira Coutinho

O Palácio da Quinta das Águias na Junqueira – Histórias e memórias
Ana Cláudia Perez Coelho

O palácio do marquês de Angeja e o colapso do painel frontal do chafariz de el-Rei
António Augusto Salgado de Barros

Palacete Mendonça: ecletismo, internacionalismo e progresso
Júlia Zurbach Varela

Segue-se a secção da Documenta que divulga documentos à guarda do Arquivo Municipal de Lisboa.
A revista contempla ainda uma secção: a Varia onde se apresentam dois artigos sobre “A casa dos meus avós no bairro de Alvalade: considerações entre o projecto arquitectónica e a vida de uma família”, de Diana Lopes Pereira e “Da Representação do Mundo: as exposições internacionais e a Expo’98”, de Nuno Gomes Martins.

Via

Faustin Linyekula vai dançar no Carmo | JOSÉ FRADE

O bailarino e coreógrafo Faustin Linyekula actua amanhã, a partir das 19.00, nos renovados Terraços do Carmo. Uma noite musical dançante para entrar no fim de semana. 

 O espectáculo, entre a performance e o concerto, junta o congolês a músicos, DJs e bailarinos da cidade de Lisboa e está incluído na programação das Festas de Lisboa .

Faustin Linyekula é o convidado deste ano da bienal Artista na Cidade. Nesta performance nos Terraços do Carmo conta com os DJ Maboku e Lilocox, três bailarinos (para além dele, Papy Ebotani e Hélio Santos), uma actriz, Teresa Coutinho e dois músicos (João e Boris do grupo Duas Semicolcheias Invertidas).

É grátis.

Fernando Pessoa nasceu há 128 anos

Via

13 JUN
SEGUNDA
ENTRADA LIVRE

Em dia de aniversário, um programa alargado: um recital e uma oficina para os mais pequenos à tarde; o concerto de Sofia Vitória ao fim do dia.

 

PROGRAMA:

Às 15h20, Pessoa: uma sinfonia, um recital, para famílias, de Ana Sofia Paiva com Otto Pereira (violino) e Raquel Reis (violoncelo).

Às 16h30, Música… que sei eu de mim?, oficina de poesia, musicalidade e oralidade para famílias e crianças a partir dos 6 anos, com Ana Sofia Paiva.

Às 19h00, concerto de apresentação do projecto ECHOES de Sofia Vitória, um trabalho que parte dos textos em inglês de Fernando Pessoa.

Ao longo do dia a visita à CFP tem redução de 50%

 

Faz música Lisboa 2016

Via

faz_musica_lisboa_2016

Fête de la Musique

O projecto Faz Música Lisboa está inserido na festividade internacional Fête de la Musique e consiste na organização de uma festa dedicada à música ao vivo, realizada num dia, no seio da cidade de Lisboa e de livre acesso para os participantes.

Os valores da Festa baseiam-se no envolvimento da sociedade civil à volta dos músicos amadores e profissionais da sua cidade, criando valor cultural e promovendo os espaços citadinos.

Seguindo a tradição da Fête de la Musique, celebrada internacionalmente no mês de Junho e presente em 116 países e 450 cidades, participam na Faz Música Lisboa! estilos musicais tão diversos como Rock, Bossa Nova, Fado, Folk e Música Clássica.

A organização do evento está a cargo da Associação Faz Música Lisboa, fundada em 2010 por João Cruz, Nuno Almeida e Diogo Santos e que actualmente conta com um total de 13 colaboradores.

A primeira edição da Faz Música Lisboa! ocorreu no dia 18 de Junho de 2011 com concertos a ocorrer em simultâneo em 6 palcos, no Jardim da Estrela (Música América Latina), Jardim das Amoreiras (Jazz/Blues), Museu Arpad Szenes – Vieira da Silva (Música Clássica), Alto de S. Francisco (Fado), Jardim do Príncipe Real (Rock) e Miradouro de S. Pedro de Alcântara (Rock). Participaram mais de 30 grupos musicais e entidades dedicadas ao ensino e divulgação da música, como os serviços culturais da Embaixada de França, o Hot Clube de Portugal, a Academia de Amadores de Música, a Fábrica Braço de Prata, a Casa do Brasil e o Catacumbas Jazz Bar.

O trabalho prosseguiu nos anos seguintes, tendo a inserção nas Festas de Lisboa e o apoio do BNP Paribas contribuído para a sustentabilidade do evento de forma a atingir o objectivo, de criar um marco cultural diferenciado na cidade de Lisboa.

Na 6ª edição nos dias 17, 18 e 19 de Junho contamos com o seguinte programa:

6º feira 17 Junho:
17-23h Príncipe Real – Reggae: Hallelu’JAH; Chaparro & Rasnatura Band; Off The Lip; Kwantta; JahVai; URBANVIBSZ

Sábado 18 Junho (interrupção às 20h para transmissão do jogo de Portugal no Euro-16):
16-23h Largo Camões – Rock: Panteras Negras; Nooj; Punk Some Noise; Papaléguas
16-23h Avenida: Rock – The Electric Howl; Then They Flew; Sebenta; Lucky Lupe
16-23h Jardim da Torre de Belém – Rock: Ambar; Mero Acaso; Espaço em branco; The Cheers Leaders; Old Yellow Jack

Domingo 19 Junho:
18-20h Estufa Fria – Fado: Guitarras: Bernardo Romão e Pedro Saltão; Fadistas: Matilde Cid, Teresa Landeiro e outros a confirmar
16-21h Jardim das Amoreiras – Blues: Yara Cambinda; Grupo Gerajazz; Dog’s Bollocks; A Lady e Os Lobos Maus; Norton’s Project
16-23h Príncipe Real – Músicas do Mundo: KM Mostafa Anwar; José Braima Galissá; FFFFF; Buba Djabaté; Sabor tropical; Mistura Pura Duo – Funky Menestrellos
15-21h Jardim do Torel – Lusofonia: Banda Olim; Marília Schanuel; Pedro Limpo; Maria João Fura; Daniela Mendes; Balaco Black

Site / Programa download / Excertos de música

Terceira edição do Trampolim Gerador leva mais de 60 iniciativas culturais ao bairro lisboeta da Mouraria

Fonte

Francisco Seco / AP

O bairro lisboeta da Mouraria vai acolher a terceira edição do Trampolim Gerador, promovendo mais de 60 iniciativas culturais de acesso gratuito, no dia 14 de maio, das 15:00 às 24:00, com concertos, teatro, cinema, poesia, dança e gastronomia.

Sob o mote “Cultura portuguesa a dar o salto”, o evento pretende proporcionar “uma experiência de descoberta cultural e artística” na Mouraria, disse à agência Lusa o mentor do projeto, Miguel Bica.”A ideia é que as pessoas tenham uma experiência múltipla”, através de “um conjunto muito grande de iniciativas, de um leque muito ecléctico”, reforçou o responsável.

O Trampolim Gerador na Mouraria vai ter actividades a decorrerem em mais de 30 espaços diferentes deste bairro de Lisboa, desde o famoso Largo da Severa à Igreja da Nossa Senhora do Socorro, passando pelo Zé da Mouraria ou pelo Chinês Clandestino, até ao Edifício do Inatel.

O desafio da descoberta prende-se com a ideia de que “em cada esquina pode estar uma exposição interessante ou uma pessoa a fazer arte urbana, ou um ilustrador a fazer banda desenhada, ou um poeta a declamar poemas, ou um teatro numa varanda de um restaurante chinês ou numa garagem, ou um ciclo de cinema num ginásio”, explicou Miguel Bica.

O Trampolim Gerador visa “democratizar e descodificar aquilo que é cultural e trabalhar a cultura como identidade portuguesa”, afirmou o mentor do projecto, considerando que todos os cidadãos devem ter acesso à cultura, uma palavra que tem que perder o elitismo que lhe está associado.

De acordo com Miguel Bica, o bairro da Mouraria é a maior expressão da multiculturalidade na cidade de Lisboa, com “uma mistura cultural de muitos sítios do mundo”, apresentando-se com o “palco perfeito” para receber “mais de 150 artistas, da Mouraria e do país inteiro”.

Durante toda a tarde de 14 de maio, o Trampolim Gerador vai ter “música, performances ao vivo, teatro, fotografia, arte urbana, artes plásticas, oficinas, cinema, gastronomia, visitas guiadas e muito humor, pela mão de vários artistas convidados e com um amplo envolvimento da comunidade local”.

Entre os destaques na programação do evento encontram-se o concerto intimista de JP Simões na escadaria do Largo do João do Outeiro, o funaná dos Celeste/Mariposa, o espectáculo de teatro “Escuridão Bonita” às escuras numa garagem, assim como a poesia na Igreja Nossa Senhora do Socorro, com Carla Chambel, Vicente Alves do Ó e Filomena Cautela.

Miguel Bica disse que o objectivo “é que seja um evento para todos”, com actividades para crianças, jovens e adultos.

“O Trampolim Gerador está feito para se modificar e para se deixar absorver pelo espaço que o acolhe”, afirmou o mentor do evento, referindo que o projecto começou com uma edição zero no Largo de São Paulo, depois realizou a primeira edição na Praça das Flores, saltando depois para a segunda edição no Príncipe Real.

O objectivo é realizarem-se duas edições do Trampolim Gerador por ano, saltando de um sítio para o outro em cada edição. Está, por isso, a ser “cozinhada” a quarta edição, que será também este ano, após a visita pelo bairro da Mouraria.

A organização do evento cabe ao Gerador, plataforma de ação e comunicação para a cultura portuguesa que promove autores e entidades ligadas à arte, ao cinema, à literatura, à banda desenhada, aos costumes populares e aos ofícios nacionais.

Oitavo aniversário do Museu do Oriente. Actividades Gratuitas

Fonte

No dia 8 de Maio assinala-se o 8º aniversário do Museu do Oriente, que abriu as portas em 2008. Sendo o oito considerado um número de muita sorte na China, o Museu celebra esta data com um programa comemorativo gratuito, que compreende visitas temáticas, espectáculos, conferências, demonstrações e ateliês. O programa do 8º Aniversário pretende assim reflectir não apenas as diferentes áreas de actuação do Museu mas sobretudo a diversidade de culturas nele representadas e a pluralidade dos diálogos que promove.

Programação

Centenário da morte de Ramalho Ortigão.

Dia 14, às 19H, realiza-se a segunda conferência no âmbito do centenário da morte de Ramalho Ortigão.

“Cebolas feias, lindas mãozinhas. O pensamento estético em Ramalho Ortigão.” , Professora Maria João Ortigão.

Marcações prévias, inscrições gratuitas – Inscrições/ Informações: 21 770 11 35
Local: Grémio Literário, R. Ivens n.º 37
Organização: DMC/ DPC-Gabinete de Estudos Olisiponenses
Apoio: Grémio Literário

GRUPO DE LEITURA “CYRANO DE BERGERAC” de Edmond Rostand

Via

13 e 20 de Outubro de 2015

(2 sessões – 19h00 – Palácio Fronteira)

Informações e Inscrições gratuitas – fcfa-cultura@netcabo.pt / 217784599.

Cyrano de Bergerac numa gravura do século XVII

A peça Cyrano de Bergerac tem interpelado os leitores desde a sua criação por Edmond de Rostand em 1897. Em vida do autor foi representada mais de 400 vezes e conhecem-se, até ao presente, mais de duas dezenas de adaptações ao cinema, em várias línguas.

Podemos perguntar-nos acerca das razões desta longa preferência do público por este texto. O que tem, a peça, de tão especial?

Um dos seus encantos é, certamente, o facto de encenar algumas das inquietações humanas mais profundas: pode um de um corpo desajeitado albergar uma alma bela? Pode o amor generoso e total passar despercebido ao ser amado?

A estas inquietações junta-se, nesta peça, uma outra reflexão, cara a quem escreve, perturbante para quem lê: a afirmação do poder encantatório da escrita e a ideia de que é possível, através da palavra, não só convencer, mas seduzir.

PROGRAMA / PROPOSTA DE LEITURAS

13.10.2015 – Grupo de Leitura sobre a obra “Cyrano de Bergerac” de Edmond Rostand, coordenado por Vanda Anastácio.

20.10.2015 – Visionamento  comentado  do  filme  “Cyrano  de  Bergerac”,  do  realizador Jean-Paul Rappeneau, com  Gérard  Depardieu, Anne  Brochet e  Vincent    Perez. Comentários  e discussão por Nuno Júdice tradutor da peça para português. (Haverá um curto intervalo de 20 minutos).

Apoio: Institut Français du Portugal e Antena 2

Local: Palácio Fronteira, Largo São Domingos de Benfica, 1 – Lisboa

Site

Facebook

%d bloggers like this: