P.A.M. – Património, Artes e Museus

Início » religiao

Category Archives: religiao

“De Roma para Lisboa: Um álbum para o Rei Magnânimo.”

Via

Museu de São Roque organiza visitas guiadas gratuitas, mediante inscrição prévia, à exposição temporária “De Roma para Lisboa: Um álbum para o Rei Magnânimo”.

É um documento ímpar da História de Portugal…

Pela primeira vez é apresentado internacionalmente ao público o denominado Álbum Weale. Trata-se de um importante documento pertencente ao Reino de Portugal, atualmente propriedade da École Nationale Superieure des Beaux-arts de Paris, restaurado através do patrocínio integral da Santa Casa da Misericórdia de Lisboa.

Realizado no reinado de D. João V, consiste num registo minucioso, escrito e desenhado das encomendas de arte italiana para a Basílica Patriarcal e para a Capela de São João Baptista. A maioria da documentação perdeu-se com o terramoto, pelo que este álbum é essencial para o conhecimento das peças que não chegaram até nós.

A exposição constrói-se em torno do processo de intercâmbio cultural realizado entre Roma e Lisboa, ou seja, da circulação das cartas, desenhos e obras de arte que circulavam entre o rei D. João V e os seus embaixadores em Roma.

A Santa Casa presta agora um verdadeiro serviço público, a todos os investigadores nacionais e estrangeiros, mas também à sociedade em geral, ao disponibilizar, em português e inglês, a edição integral do álbum Weale, que se encontra à venda na loja do Museu de São Roque e da exposição.

INFORMAÇÕES

As visitas guiadas à exposição temporária “De Roma para Lisboa: Um álbum para o Rei Magnânimo” acontecem todos os domingos às 15h e quintas-feiras às 17h30, até 25 de Outubro

Galeria de exposições temporárias do Museu de São Roque (acesso pela Igreja de São Roque)

Participação GRATUITA mediante MARCAÇÃO PRÉVIA pelos telefones 213 240 869/866 – 213 235 444

Arquivo da Irmandade dos Clérigos do Porto está disponível online

Via

O Arquivo da Irmandade dos Clérigos do Porto, com mais de 100 mil páginas, está agora disponível online, depois de uma equipa de arquivistas passar um ano a organiza-lo, digitalizá-lo e descrevê-lo.

“O arquivo está agora salvaguardado e ao serviço da humanidade”, afirmou o presidente da Irmandade dos Clérigos, Américo Aguiar.

O arquivo histórico em suporte papel, com mais de 300 anos de história, está guardado na Casa da Prelada, estrutura da Santa Casa da Misericórdia do Porto, por esta dispor de tecnologias de conservação e segurança.

A história da Igreja e Torre dos Clérigos, `ex-líbris do Porto, da autoria do arquiteto italiano Nicolau Nasoni está disponível a qualquer pessoa, em qualquer parte do mundo através da página de Internet –

http://portal.cehr.ft.lisboa.ucp.pt/arquivos/index.php

“O arquivo é um tesouro para tratar, trabalhar e disponibilizar, não para guardar num lugar escondido e inacessível”, frisou Américo Aguiar.

A responsável pelo projecto de digitalização, Helena Osswald, explicou à Lusa que o trabalho durou cerca de um ano, tendo começado em Junho de 2014, e envolveu três arquivistas diplomadas.

“É um arquivo muito grande, ocupando 13 metros lineares de prateleira”, frisou.

Segundo Helena Osswald, o acervo da Irmandade dos Clérigos tem maços de documentação avulsa, cadernos e livros, tendo sido feito um “enorme” trabalho de organização.

Neste “minucioso” trabalho, a coordenadora lembrou terem tido a “ajuda” de um inventário datado de 1975, realizado por uma pessoa no âmbito de uma licenciatura.

“Não seguimos a ordem do inventário porque, actualmente, devem ser cumpridas os princípios da arquivologia”, salientou.

Para evitar o “uso impróprio” dos documentos disponibilizados, todas as páginas têm uma marca de água, uma impressão transparente.

Além da apresentação do arquivo `online´, foi inaugurado durante a manhã a “Colecção Cristos” num novo espaço da Igreja dos Clérigos que reúne “mais de 400 imagens” de Cristo doadas à instituição.

De madeira, marfim, prata ou pintados em telas, os mais de 400 cristos ali expostos de diferentes formas e tamanhos foram doados à Irmandade por António Manuel Cipriano de Miranda, homem que nasceu em Baião em 1933 e estudou no Porto.

A mostra retrata “a vida de Cristo contada cronologicamente”, desde o século XII até ao século XX, disse Américo Aguiar.

Convento de Jesus reabre amanhã ao público

O Convento de Jesus, em Setúbal, esteve de portas fechadas 23 anos. Agora, após concluída a primeira fase das obras de recuperação, que decorreram sobretudo na ala poente do edifício, vai reabrir ao público, o que acontecerá amanhã.

Em causa está um monumento nacional construído no final do século XV. Foi no Convento de Jesus, por exemplo, que foi ratificado o Tratado de Tordesilhas, em 1494, quatro anos após a sua inauguração.

Segundo a TSF, a recuperação do convento custou cerca de 3,6 milhões de euros, sendo que as obras de restauro estiveram a cargo do arquiteto Carrilho da Graça. A Câmara Municipal de Setúbal espera que a próxima fase, que inclui a recuperação da igreja de Jesus, esteja concluída dentro de dois anos.

Convento de Jesus reabre amanhã ao público

“[Está a ser] devolvida ao país uma parte da sua história”, disse a presidente da autarquia, Maria das Dores Meira. “Há 23 anos a Secretária de Estado Teresa Patrício Gouveia começou por fazer uma pequena intervenção. Depois o Governo caiu e isso acelerou a degradação. Sucederam-se os governos e mais ninguém tocou nisto”, explicou.

Já Pedro Pina, vereador da Cultura da câmara de Setúbal, revelou que o Convento de Jesus vai ser “um espaço dinâmico”, onde as pessoas podem encontrar um “espólio único”, como a pintura “Bocage e as Musas de Fernando Santos” ou o “valioso Calvário-Cristo Crucificado, Nossa Senhora, São João e Santa Madalena”.

Obras e achados arqueológicos

Um importante conjunto de achados arqueológicos foi desvendado recentemente no decorrer da empreitada de reabilitação do Convento de Jesus, obra liderada pela Câmara Municipal que permite, numa primeira fase, suster e travar a degradação do monumento nacional.

No exterior do Convento de Jesus, na área poente, na qual se vai situar a entrada para um futuro espaço museológico, os trabalhos exploratórios no terreno permitiram descobrir antigos acessos ao edifício, espaços que se julgam ter sido de utilização semipública, perdidos quando o imóvel passou a ter a função de hospital.

Ali, entre várias peças descobertas, sobretudo cerâmica, azulejos e elementos em ferro de antigas janelas conventuais, dos séculos XVII e XVIII, encontram-se sinais dos pátios dos Padres e das Veleiras, bem como vestígios de uma roda, estrutura que era utilizada para ações de doação.

Traços da antiga ocupação do Convento de Jesus foram também descobertos após escavações na área norte do edifício. Um sistema de regadio arcaico cuidadosamente desenhado no chão salta à vista e deixa a claro a possível utilização do terreno noutros tempos – uma zona de cultivo, com pequenas hortas e jardins.

Já na área nascente, local no qual está a ser criada uma ampla estrutura para instalação de um sistema de bombagem, com o objetivo de recolher e encaminhar águas pluviais para a rede de coletores públicos, as ações arqueológicas permitiram encontrar mais fragmentos de cerâmica e peças intactas.

Paralelamente às descobertas arqueológicas, que, no caso das estruturas imóveis, permanecem nos locais originais, podendo ser visitados aquando da abertura do Convento de Jesus ao público, continua a delicada intervenção de reabilitação do monumento.

O reforço de todas as infraestruturas do imóvel é uma das principais operações em andamento no âmbito do projeto “Recuperação e Valorização do Convento de Jesus”, incluído no Programa ReSet – Regeneração Urbana do Centro Histórico de Setúbal, um investimento global de 3 milhões, 264 mil e 4,13 euros.

Ao mesmo tempo, técnicos especializados conduzem operações de restauro em valiosos elementos que integram a arquitetura do Convento de Jesus, como é o caso da zona dos claustros. A fonte, instalada no centro daquela área, está a ficar como nova e, após vários anos de seca, vai novamente ter água.

Ali bem perto, a fonte do lavabo está praticamente restaurada. A Brecha da Arrábida que forra o pequeno claustro, agora corretamente impermeabilizado e sem fissuras, foi totalmente limpa e reabilitada. Também os azulejos que circundam o antigo lavabo são alvo de ações de renovação.

Intervenções semelhantes estão igualmente a ser executadas na Sala do Capítulo, bem como noutras áreas do imóvel com relevante interesse. Já a Sala do Alto Coro, da qual é possível observar o interior da igreja de Jesus, carece de uma intervenção mais profunda a executar em breve.

A colocação da cobertura na totalidade do Convento de Jesus, cujos tetos interiores são forrados a madeira, é uma das próximas etapas agendadas na empreitada liderada pela Câmara Municipal de Setúbal, operação a decorrer desde o final de dezembro de 2012.

No interior do imóvel, além da substituição integral da laje no primeiro piso, decorrem trabalhos que visam a colocação de novos pavimentos e revestimentos de paredes, bem como a remodelação do sistema elétrico e a instalação de redes de comunicação e de um sistema de climatização.

No âmbito desta intervenção foi já construído um edifício para apoio técnico, que acolhe, por exemplo, a maquinaria de climatização, estando ainda previsto a criação de rampas de acesso para pessoas com mobilidade reduzida e a instalação de um elevador, instalado no interior do próprio imóvel.

O Convento de Jesus, situado no interstício das muralhas quatrocentistas e seiscentistas, é a principal referência patrimonial de Setúbal, beneficiando de classificação como Monumento Nacional desde 1910.

Fundado em 1490, acolhe, desde o início da década de 60 do século XX, as instalações do Museu de Setúbal, acervo com diversas coleções artísticas, arqueológicas, históricas e documentais de elevado valor, nalguns casos com dimensão internacional.

Santuário do Bom Jesus de Braga vai ser elevado a Basílica pelo Vaticano

Via

O Santuário do Bom Jesus vai ser elevado a Basílica Menor pelo Vaticano. Além desta elevação que é um título ho­no­rí­fi­co, vem também reforçar o processo de candidatura que a confraria está a levar a cabo para que o Santuário seja classificado como património mundial da UNESCO.

Fire engulfs Basilique Saint Donatien in Nantes

Via

The fire is reported to have been underway since 10.30am and has caused visible damage

A large fire has broken out at the Basilique Saint Donatien in Nantes.

The fire, which has reportedly been underway since 10.30am has demolished three quarters of the Basilique’s roof and continues to be tackled by emergency services.

Ninety firefighters and aircraft were deployed but the flames quickly ravaged the rooftop, leaving just a shell of the rooftop. The blaze was brought under control after several hours.

The fire started shortly after morning Mass and those inside of the building were quickly evacuated, Rev Benoit Bertrand of the Nantes diocese, told local television

Initial reports speculate that the blaze has caused significant structural damage. Radio Cote D’Amour, a local radio station, has cited a police official who believes the fire may have been caused by welders working in the church.

Images, uploaded to social media, show the fire engulfing part of the building with smoke plumes visible far away from the incident.

A security perimeter has been established around the blaze.

Photos uploaded to social media show the roof of the 19th century basilica burning (credit: Maxime Claval/ Twitter)

Photos uploaded to social media show the roof of the 19th century basilica burning (credit: Maxime Claval/ Twitter)

 

The Basilique is one of two in the city and dates back to the 19th century. It is dedicated to St. Donatien and St. Rogatien, two young martyrs who refused to renounce their Christian faith.

The church received ten bells each weighing bvetween 291 and 4,614 kg in 1902 and ring the same aria as Big Ben in the Palace of Westminster.

http://bcove.me/ebiqzpul

Após sete anos de restauro, vitrais da Sainte-Chapelle, em Paris, voltam a brilhar

Via

A Sainte-Chapelle, em Paris

 

Os trabalhos de restauro em monumentos são uma constante numa cidade como Paris. O momento é ideal para conhecer ou rever os vitrais da Sainte-Chapelle, a Santa Capela, um dos principais pontos turísticos da capital francesa, que acabam de passar por um período de restauro que durou sete anos.

Uma verdadeira gaiola de vidro, vizinha da catedral de Notre Dame, a Santa Capela é um tesouro gótico do século 13. O idealizador foi o rei Luís IX, fanático por Cruzadas, quando os cristãos avançavam em direção ao oriente para salvar os infiéis e se apoderar de tesouros magníficos. As relíquias da Paixão de Cristo, autênticas ou não, eram objetos de desejo dos grandes. O rei Luís conseguiu comprar a coroa de espinhos, entre outros tesouros cristãos.

Para exibir as “jóias“, o monarca ordenou a construção da Santa Capela, erguida em tempo recorde para a época de apenas seis anos (1242-1248). “Ele queria uma vitrine para os tesouros, digna daquela época, da Europa cristã da Idade Média, por isso ele levantou a capela, relativamente pequena, mas que é um verdadeiro relicário e altar”, explica Delphine Samsoe, administradora da Santa Capela.

Bíblia de vidro

Luís IX morreu numa Cruzada em 1270 e foi transformado em santo sete anos depois. A Santa Capela pretende ser uma bíblia, com as sagas do livro sagrado representadas nos vitrais. São 750m² de área, com 20m de altura. Cerca de 60% dos painéis são originais do século 13, segundo especialistas que trabalharam neste último restauro (de 75% dos vitrais).

A Santa Capela fica na Île de la Cité, no coração de Paris, que reúne também Notre Dame, o imponente Palácio da Justiça e a Conciergerie, antiga residência real. As longas filas podem desencorajar, mas agora o turista pode aproveitar as visitas noturnas de quarta-feira, até 16 de setembro, período em que a noite chega mais tarde.

Veja abaixo o vídeo do restauro:

Cruzeiro Religioso e Cultural promove cultura avieira

Via
A terceira edição do Cruzeiro Religioso e Cultural do Tejo, uma organização conjunta de várias associações locais, realiza-se este ano entre os dias 30 de maio (sábado) e 14 de junho (domingo), entre Vila Velha de Ródão e Lisboa, num total de sete etapas, a maior parte realizadas no distrito de Santarém.

Criado com o objetivo de promover a divulgação da religiosidade das comunidades ribeirinhas do Tejo e a promoção da cultura avieira, o cruzeiro é todo ele realizado por embarcações típicas do Tejo, como o tradicional picoto e a bateira, que transportam a imagem de Nossa Senhora dos Avieiros e do Tejo rio abaixo.

A iniciativa está ligado à candidatura da cultura avieira a Património Nacional Imaterial e da Unesco e tem como objetivos específicos o reforçar da identidade das comunidades, aproximando-as através de uma partilha cultural e religiosa que envolve 37 paróquias, 30 freguesias e 20 concelhos.

A primeira etapa principia no sábado, 30 de maio, e vai ligar Vila Velha de Ródão a Belver/Ortiga, no concelho de Mação.

ETAPAS:

1ª Etapa, Sábado, 30 de Maio
09h30 – Bênção do III Cruzeiro Religioso do Tejo
10h00 – Partida de Vila Velha de Ródão
10h30 – Chegada a Santana
10h45 – Chegada a Fratel
13h00 – Chegada à Barragem do Fratel
16h00 – Chegada a Barca
16h45 – Chegada a Amieira do Tejo – Nisa
17h15 – Chegada a Belver – Gavião
18h00 – Chegada a Ortiga – Mação
Festa Cultural
Celebração da Eucaristia

2ª Etapa, Domingo, 31 de Maio
10h00 – Partida de Ortiga
12h00 – Chegada a Alvega
13h30 – Chegada a Mouriscas
Momento Musical
17h00 – Chegada ao Pego
17h30 – Chegada a Barca do Pego
18h30 – Chegada a Rossio ao Sul do Tejo – Abrantes
Festa Cultural e celebração Religiosa

3ª Etapa, Sábado, 6 de Junho
09h00 – Partida do Rossio ao Sul do Tejo
09h30 – Chegada ao Tramagal
10h30 – Chegada a Rio de Moinhos
12h00 – Chegada a Constância
Momento Musical
13h30 – Chegada a Praia do Ribatejo
14h00 – Chegada ao Arripiado
15h30 – Chegada a Tancos
16h30 – Chegada a Vila Nova da Barquinha
18h30 – Chegada à Chamusca
20h00 – Chegada à Azinhaga – Golegã
Baptismo de bateiras na margem do Tejo
21h00 – Chegada a Alpiarça
Celebração Religiosa

4ª Etapa, Domingo, 7 de Junho
10h00 – Partida de Alpiarça
10h30 – Chegada a Vale de Figueira
12h00 – Chegada à Ribeira de Santarém – Santarém
Momento Musical
14h30 – Chegada a Alfange
15h30 – Chegada a Caneiras
Missa em honra dos Avieiros falecidos
17h30 – Chegada a Porto de Muge
18h30 – Chegada a Porto do Sabugueiro
19h30 – Chegada a Escaroupim – Salvaterra de Magos
Festa Cultural
21h00 – Procissão fluvial nocturna:
ESCAROUPIM – VALADA DO RIBATEJO
22h00 – Valada do Ribatejo
Celebração da Eucaristia

5ª Etapa, quarta-feira, 10 de Junho
09h30 – Partida de Valada do Ribatejo – Cartaxo
10h00 – Chegada à Palhota
11h30 – Chegada ao Porto da Palha – Azambuja
Missa campal
15h30 – Chegada à Vala do Carregado
17h00 – Chegada a Vila Franca de Xira
Momento de Oração
Quinta-feira, 11 de Junho
19h00 – Partida de Vila Franca de Xira
19h30 – Chegada a Alhandra
Sexta-feira, 12 de Junho
21h00 – Alhandra – Procissão nocturna

6ª Etapa, Sábado, 13 de Junho
14h30 – Partida de Alhandra
15h30 – Chegada à Póvoa de Santa Iria
Celebração Religiosa
19h00 – Chegada ao Parque das Nações – Lisboa
20h30 – Chegada à Moita
Festa Cultural e celebração Religiosa

7ª Etapa, Domingo, 14 de Junho
10h30 – Partida da Moita
12h30 – Chegada à Trafaria – Almada
16h00 – Chegada a Paço de Arcos
18h00 – Chegada a Oeiras

Festa final do Cruzeiro Religioso e Cultural
– OEIRAS MARINA –
10h00 – Mostra de Produtos Ribeirinhos do Tejo
Exposição de fotografia |Sentir o Tejo| de José Peixe
17h00 – Actuação do Rancho Folclórico «Os Avieiros» de Escaroupim
18h00 – Receção à Nossa Senhora dos Avieiros e do Tejo
19h00 – Missa Campal
20h00 – Final do III Cruzeiro Religioso e Cultural do Tejo

%d bloggers like this: