P.A.M. – Património, Artes e Museus

Início » ciencia » O Convento da Graça esconde tesouros que em breve serão revelados

O Convento da Graça esconde tesouros que em breve serão revelados


convento_graca_01

O claustro que o vereador diz ser “um dos mais bonitos” de LisboaDR

Fonte

“Isto é um passeio único dentro de Lisboa, que ninguém conhece”, diz o vereador Sá Fernandes, enquanto percorre os espaços do convento que vão ser restaurados para abrirem ao público no início de 2017.

Por esta Lisboa fora há tesouros escondidos que só alguns têm o privilégio de poder apreciar. Em Março de 2017, por ocasião da Procissão do Senhor Jesus dos Passos da Graça, alguns deles vão ser revelados: a partir daí vai ser possível percorrer alguns dos espaços no interior do Convento da Graça e descobrir, por exemplo, aquele que o vereador José Sá Fernandes acredita ser “um dos mais bonitos claustros” da cidade.

A ideia (que na última reunião da Câmara de Lisboa recebeu o necessário aval dos vereadores) é criar “um novo percurso público” na Graça, com “valor patrimonial, arquitectónico e cultural”, dentro do antigo convento que está classificado como Monumento Nacional. A entrada será feita pelo Miradouro Sophia de Mello Breyner, por uma porta que hoje em dia está fechada, ao lado da entrada da Igreja de Nossa Senhora da Graça.

Entrados aí, os visitantes poderão visitar a “antiga Portaria/Capela” e, depois disso, a “antiga Sala do Capítulo/Refeitório”. Neste percurso seguem-se o jardim e o claustro, o tal que o vereador das Estruturas Verdes se atreve a dizer que “é provavelmente o claustro mais bonito de Lisboa tirando o dos Jerónimos”. O último ponto de interesse é a “Portaria de acesso à Sacristia”, que funciona actualmente como capela mortuária da paróquia.

“Isto é um passeio único dentro de Lisboa, que ninguém conhece”, observa Sá Fernandes ao PÚBLICO, durante uma visita ao local. “É um sítio absolutamente extraordinário”, acrescenta, com um tão grande entusiasmo que, nem que tentasse, conseguiria esconder.

E não é de estranhar: em 2000, anos antes de ser eleito pela primeira vez vereador da Câmara de Lisboa, Sá Fernandes já lutava para que o Convento da Graça fosse devolvido à cidade e aos cidadãos. Nessa altura, o advogado avançou com uma acção popular contra o Estado português e o Ministério da Defesa, na qual defendia que os espaços que na altura estavam sem uso deviam ser cedidos à autarquia.

Por não ter sido bem-sucedida essa sua iniciativa como “homem de Lisboa”, Sá Fernandes voltou à carga cinco anos depois. O Convento da Graça foi aliás o local escolhido pelo então candidato à presidência da autarquia para aquela que foi a sua primeira acção de rua, em Junho de 2005.

“O que nós desejamos é uma cidade ecológica, reabilitada, transparente e de proximidade. O Convento da Graça é um caso típico onde não existe essa Lisboa”, afirmou na ocasião, criticando o “estado de degradação” a que o Monumento Nacional estava votado. “Não permitir que os cidadãos usufruam é inconcebível”, observou, sugerindo a instalação de um centro cultural com ateliers artísticos e espaços para a realização de ensaios.

Foi no entanto preciso esperar até 2015 para que parte da velha ambição de Sá Fernandes se concretizasse: em Junho desse ano o município inaugurou o Jardim da Cerca da Graça, num terreno que desce até à Mouraria e que antes estava nas mãos do Ministério da Defesa. Agora, com a criação do “percurso público” no interior do antigo convento masculino, há mais uma batalha que o autarca pode considerar ganha.

Na última reunião camarária foi aprovada a celebração de um protocolo, com a Fábrica Paroquial da Freguesia de Santo André – Graça e com a Real Irmandade de Santa Cruz e Passos da Graça, no qual se estipula que antes de aquele percurso abrir ao público serão feiras obras de “reabilitação e restauro” dos diferentes espaços e de “restauro e conservação” dos azulejos da Sala do Capítulo. Estão em causa obras no valor de 360 mil euros, que a autarquia suportará e que deverão prolongar-se por cinco meses.

Quando esses trabalhos estiverem concluídos, passará a ser possível visitar a “antiga Portaria/Capela”, na qual se destaca o chão em mármore trabalhado. Daí avança-se para a Sala do Capítulo, com namoradeiras em pedra junto às janelas e paredes forradas com painéis de azulejos azuis e brancos.

“Há aqui notabilíssimos azulejos do século XVII – painéis de várias dimensões nos quais se historiam e glorificam feitos de ermitas agostinianos, que se notabilizaram, sobretudo, nas Índias Orientais e Ocidentais”, descreveu Mário Sampaio Ribeiro em 1939. Na obra “A Igreja e o Convento de Nossa Senhora da Graça”, citada na proposta camarária, o autor acrescenta que “neles estão representados os martírios ou triunfos de Veneráveis e de Beatos da Ordem”.

A partir dessa sala, que no passado foi refeitório e também infantário, acede-se ao claustro. A ele Mário Sampaio Ribeiro, que pergunta se “corta ou não corta o coração o estado em que está” e se “é ou não uma obra de caridade a sua reintegração”, refere-se como “verdadeiramente monumental, por suas grandiosas proporções”.

Na proposta assinada por Sá Fernandes cita-se ainda uma publicação da Junta Distrital de Lisboa, que do claustro destaca a “soberba quadra maneirista de mármores policromos, com cinco arcos de volta plena por lado, sobre pilares toscanos, separados por vãos de verga recta”.

“Vai ser tudo restaurado”, garante Sá Fernandes, antecipando que o claustro e o jardim no seu interior (que hoje está cheio de ervas e que esconde uma cisterna cheia de entulho) se vão tornar num espaço privilegiado “de sombra, de descanso, de usufruto, de meditação”.

“Isto é top”, exclama depois, quando chega àquele que é o último ponto do percurso: um átrio no qual sobressai a “portaria de acesso à Sacristia”, que está rodeada de painéis de azulejos e cuja beleza o vereador não se cansa de elogiar. “É uma portaria lindíssima, absolutamente extraordinária. Só isto já vale a visita”, constata.

Na visita ao local, Fernando Antunes, que é um dos representantes da Igreja da Graça neste processo, explica que a intenção é que todas as obras estejam finalizadas a tempo da Procissão do Senhor Jesus dos Passos da Graça, que se vai realizar em Março de 2017, unindo as igrejas de São Roque e da Graça. A partir daí, o percurso agora anunciado será “de acesso livre e gratuito do público”, podendo ser visitado (de acordo com o que se lê no protocolo) durante o horário de funcionamento da igreja, “que actualmente é entre as 9 e as 18 horas”.

Este slideshow necessita de JavaScript.

Anúncios

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão / Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão / Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão / Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão / Alterar )

Connecting to %s

%d bloggers like this: