P.A.M. – Património, Artes e Museus

Início » arte » Prémio da crítica francesa para a Bovary de Tiago Rodrigues

Prémio da crítica francesa para a Bovary de Tiago Rodrigues


Via

Peça do actual director do Teatro Nacional D. Maria II foi considerada a melhor do ano em língua francesa.

Bovary, que o português Tiago Rodrigues (texto e encenação) estreou em 2014 no Alkantara Festival e remontou recentemente em Paris, com actores locais, foi considerada a melhor peça do ano em língua francesa pela Associação Profissional da Crítica de Teatro, Música e Dança de França. O espectáculo esteve em cena no Théâtre de la Bastille de 3 a 26 de Maio, integrado na Operação Bastilha, que ali levou o Teatro Nacional D. Maria II, de que Tiago Rodrigues é director artístico, e que será retomada na temporada 2016/2017.

Construída em torno do julgamento por atentado à moral e à religião de Gustave Flaubert, autor desse escandaloso Madame Bovary que foi inicialmente publicado em folhetim pela Revue de Paris em 1856, a peça agora premiada constitui, aponta o comunicado distribuído à AFP, “uma genial adaptação da peça de Flaubert e do processo à época instaurado ao escritor”.

Em Maio, a crítica francesa já tinha mostrado o seu entusiasmo, mas não unanimemente, pela operação a que Tiago Rodrigues submeteu o texto. No blogue que mantém no jornal Le Monde, Judith Sibony escreveu que “o espectáculo é exactamente o que o teatro deveria ser sempre”, destacando a precisão do texto, “digna das exegeses académicas”, o humor e o prazer exercidos em palco, e a sua capacidade de “activar o espectador”. NaTélérama, Fabienne Pascaud descreveu como “luminosa” a releitura de Flaubert proposta pelo encenador, e no Libération Anne Diatkine sublinhou “a luz persistente” do espectáculo. Já Armelle Héliot, do Figaro, considerou a experiência “uma decepção profunda”, depois das expectativas criadas por By Heart, criação anterior de Tiago Rodrigues: “Longe da emoção que esperávamos, encontramo-nos perante uma maneira muito narcísica de representar”, aponta, lamentando a “auto-satisfação” que se apoderou do dramaturgo encenador e dos seus intérpretes”.

Os prémios promovidos pela associação, que reúne 140 jornalistas da imprensa escrita e audiovisual francesa e estrangeira, distinguiram ainda, e duplamente, o encenador flamengo Ivo Van Hove: melhor espectáculo do ano para a sua encenação de Vu du Pont, de Arthur Miller, no Théàtre de l’Odéon, e melhor espectáculo estrangeiro para Kings of War, “magistral condensado, em 4h30, de cinco peças de Shakespeare”, que se apresentou no Théâtre National de Chaillot em Janeiro deste ano.

Anúncios

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão / Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão / Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão / Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão / Alterar )

Connecting to %s

%d bloggers like this: