P.A.M. – Património, Artes e Museus

Início » museu » O visitante dos museus é jovem, tem formação e procura-os porque a arte lhe dá prazer

O visitante dos museus é jovem, tem formação e procura-os porque a arte lhe dá prazer


Via

Rubens, Brueghel, Lorrain: A Paisagem Nórdica do Museu do Prado, foi uma das exposições temporárias que marcou a programação do Museu de Arte Antiga em 2014 NUNO FERREIRA SANTOS

Novo estudo abrange 14 museus nacionais. Mostra que mais de metade dos seus visitantes é estrangeira e que há ainda muito a fazer no campo da comunicação. Os funcionários, esses, são imbatíveis.

A Direcção-Geral do Património Cultural juntou-se ao Centro de Investigação e Estudos de Sociologia do Instituto Universitário de Lisboa para fazer um Estudo de Públicos dos Museus Nacionais, cujos primeiros resultados foram apresentados esta segunda-feira ao início da tarde, em Lisboa.

E o retrato-robot do visitante dos museus nacionais – o termo técnico é “perfil social predominante” – aponta para uma pessoa relativamente jovem (média de idades é de 41 anos no público nacional, 43 no estrangeiro), qualificada em termos de escolaridade e de ocupação profissional, que vai ao museu pelos mais diversos motivos e, geralmente, uma vez só (oito em cada dez são estreantes).

“Estes dados mostram-nos que o visitante, que procura saber mais, mas que entra também para conhecer melhor a diversidade cultural ou simplesmente porque isso lhe dá prazer, conhece muitos museus nacionais, mas geralmente só os visita uma vez”, explicou ao PÚBLICO o coordenador do estudo, José Soares Neves, apontando como área onde existe “uma margem de progressão muitíssimo grande” a da comunicação e como sector onde há “espaço para melhorias” o das exposições temporárias.

“Quando dizemos que um em cada quatro visitantes estrangeiros é francês ficamos com a ideia de que o francês como língua deve voltar aos suportes de informação dos museus”, explica o coordenador, “mas quando verificamos que o inglês das legendas, por exemplo, que devia ser regra, ainda não existe em todos, percebemos que há ainda muito a fazer na uniformização das práticas”. E isto sem falar no público italiano e alemão, que começa a ser já “bastante significativo”, e que “podia ter outro tipo de atenção em brochuras e audioguias”.

O objectivo do estudo é caracterizar o público dos 14 museus geridos pelo Ministério da Cultura através da Direcção-Geral do Património Cultural (DGPC), desenhando o perfil global do visitante. Isto para que, com esta informação nas mãos, o governo e os serviços técnicos possam definir estratégias para uma maior captação e fidelização dos públicos, concebendo políticas que possam garantir um maior e melhor acesso das pessoas às colecções dos museus nacionais.

Aos jornalistas, no final da sessão de apresentação, o ministro da Cultura garantiu que não tenciona guardar na gaveta este estudo, cujos resultados finais, museu a museu, deverão ser conhecidos até ao final de 2017. Dizendo que um dos seus objectivos programáticos é a revitalização da Rede Portuguesa de Museus (RPM), composta por 146 entidades com tutelas variadas, Luís Filipe Castro Mendes defendeu que nada melhor do que começar pelos da casa. “Olhando para este estudo percebemos que a gratuitidade [o primeiro domingo de cada mês] é importante, mas que é preciso comunicar melhor os descontos” para que todos compreendam que eles não se limitam a um dia por mês, disse o ministro, lembrando que muitos desempregados, por exemplo, não sabem que podem entrar nos museus da DGPC sem pagar sempre que quiserem. “Isto é fundamental porque os museus podem e dever ser espaços sem barreiras sociais.”

37% dos visitantes planeiam já a sua ida ao museu em função do livre acesso, embora a maioria (42%) o faça sem restrições. “De qualquer forma, estes dados são muitíssimo relevantes na hora de definir políticas públicas”, diz o investigador José Soares Neves.

Funcionários no topo

O estudo foi feito ao longo de um ano nos 14 museus (dez da Área Metropolitana de Lisboa, três do Centro e um do Norte), com base em quase 14 mil questionários validados (47% portugueses, 53% estrangeiros). As pessoas – todas com 15 ou mais anos – responderam ao questionário on-linenos computadores que foram postos à disposição no final de cada percurso de visita. As perguntas que dele constavam estavam orientadas para avaliar, por exemplo, a relação do visitante com a exposição e a notoriedade dos museus afectos à DGPC, dando espaço à recolha de opiniões e sugestões para melhorar a experiência que determinado equipamento oferece ao público.

Em 2015, estes museus atraíram um total de 1,2 milhões de pessoas, número que inclui as com menos de 15 anos, que fazem com que, no universo global e não apenas no universo do inquérito, sejam ainda mais os portugueses do que os estrangeiros a visitá-los (640 mil os primeiros, 591 mil os segundos).

Os resultados agora apresentados são uma primeira síntese global do inquérito de públicos e permitem dizer, por exemplo, que a avaliação que os visitantes fazem dos museus é bastante positiva (o grau de satisfação geral é de 96,7%), com quase metade a acharem que correspondeu ao esperado e 32% a defenderem que ficaram acima das expectativas (para 12% ficaram muito acima, para 6% dos portugueses e 8% dos estrangeiros ficaram àquem do esperado). Mais de metade, aliás, recomendaria a visita a amigos e colegas.

No topo da lista dos pontos fortes dos museus nacionais está o acolhimento dos que neles trabalham (98%), algo que não passou despercebido ao ministro da Cultura: “O que me agrada nos museus portugueses é a dedicação dos seus funcionários […]”, disse, salientando que gostaria de ver estes equipamentos produzir “mais publicações”, “mais informação” e generalizar o uso da língua francesa. Isto porque, no universo de estrangeiros que respondeu ao questionário (53%, 72% dos quais europeus), o peso dos visitantes franceses é muitíssimo significativo: um em cada quatro, com a França claramente à frente seguida de um pelotão liderado por países como o Brasil, a Espanha, a Itália, o Reino Unido e os Estados Unidos. E com o Brasil a assegurar a quase totalidade dos visitantes dos países que falam português: 95%.

Entre os visitantes, 37% manifestam intenção de voltar ao museu durante o ano seguinte, embora pese muito a proximidade geográfica na hora de decidir: 68% dos nacionais garantem regressar, contra 32% dos estrangeiros. E o principal motivo evocado para o regresso é o das novas exposições (65%).

Nesta matéria, e atendendo a que os directores dos museus têm vindo a alertar nos últimos anos para a inexistência de verbas para programação, procurando, sempre que possível, recorrer a mecenas ou a parceiros privados, a directora-geral do Património, Paula Araújo da Silva, avançou uma solução – fazer exposições temporárias de grande qualidade que possam ser prolongadas no tempo. “Em vez de durarem um mês, passam a durar três ou quatro. É uma maneira de contornar as dificuldades financeiras”, disse ao PÚBLICO.

“Num contexto de escassez, como o que vivemos, acredito que seja difícil manter um ritmo constante de exposições temporárias, mas elas são importantíssimas para levar o público nacional a regressar a um museu que já conhece”, acrescentou o coordenador do estudo, prevendo que, quando se analisarem os dados museu a museu, será notório o impacto que as temporárias têm nos visitantes.

O caso de Arte Antiga

Um dos equipamentos deste universo de 14 que mais têm apostado em exposições temporárias de grande visibilidade é o Museu Nacional de Arte Antiga (MNAA), que registou um decréscimo assinalável de públicos de 2014 para 2015 (menos 26%, dos 221 mil para os 164 mil) e que tem na calha uma muito aguardada ampliação. Falando sobre ela, Castro Mendes disse que os terrenos necessários ao seu crescimento foram já comprados pela Câmara de Lisboa e que “falta agora estudar e orçamentar a ampliação”.

O ministro não ficou o tempo suficiente para reagir a outra reivindicação do director de Arte Antiga. Numa conversa recente com o Diário de Notícias, António Filipe Pimentel voltou a reclamar um “novo estatuto jurídico para o MNAA quanto antes”, capaz de lhe dar mais autonomia, por exemplo, nas tomadas de decisão e na gestão das receitas próprias. Foi a directora-geral quem falou sobre um eventual regime especial para Arte Antiga e sobre os argumentos do seu director: “São observações inteligentes, feitas por uma pessoa inteligente que tem feito um excelente trabalho. Está tudo em discussão. Não há conclusões.”

O estudo agora apresentado, “que conheceu três directores-gerais”, lembrou Fernando Nogueira, presidente da Fundação Millennium BCP, um dos mecenas do projecto (o outro é a empresa de telecomunicações ONI), não ficará por aqui, já que a sua matriz poderá vir a ser aplicada às 146 entidades que integram a Rede Portuguesa de Museus, vindo ainda a ser aprofundada nos 14 museus agora abrangidos. Nesse sentido, está a decorrer a terceira e última fase deste projecto em que se fará a análise e tratamento detalhado (no global e museu a museu) dos dados até aqui recolhidos. Os resultados finais serão apresentados até ao final de 2017.

Anúncios

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão / Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão / Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão / Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão / Alterar )

Connecting to %s

%d bloggers like this: