P.A.M. – Património, Artes e Museus

Início » arte » “Em casas como aquela”

“Em casas como aquela”


ViaAUGUSTO FREITAS DE SOUSA

Duarte Belo é o auto das fotografias expostas na Fundação EDP Helena Poncini

A exposição chama-se “Em casas como aquela”, mas as fotos mostram-nos um mundo que dificilmente se repetiria noutro lugar. O quarto, o corredor e Cesariny vistos pelas lentes de Duarte Belo e revelados no Museu da Electricidade, em Lisboa.

A serenidade com que Duarte Belo fala de Cesariny e dos dois dias que passou na casa do poeta-pintor e o mais que fosse parece coincidir com as fotografias. Terem sido feitas com uma Hasselblad de película, médio formato, a preto-e–branco e sem luz artificial, poderá ter contribuído para essa suavidade.

A foto da capa da exposição foi feita a pedido do próprio Mário Cesariny, “que se sentou em pose na sua cama com um chapéu e uma pinha por cima, como se fosse a imagem do que ele era”, explica Duarte Belo. São cerca de 30 fotos que até 11 de Outubro vão estar expostas no Museu da Electricidade em Lisboa, escolhidas de uma série de 200 e que fazem parte do espólio do artista, propriedade da Fundação Cupertino de Miranda.

Duarte Belo lembra que Cesariny o recebeu “lindamente” em 2003, logo após ter sido galardoado com o Grande Prémio EDP de Artes Plásticas 2002. Esteve dois dias a fotografar a casa onde o poeta vivia com a irmã Henriette. Duarte recorda que não teve qualquer tipo de limitações e que, de vez em quando, Cesariny ia conversando sobre alguns assuntos. Numa das fotografias surge esfumado sem definição e noutra completamente desfocado. “É que a Hasselblad estava muitas vezes em exposição e às vezes Cesariny passava à frente.”

Da casa, pequena, construção Estado Novo, no segundo andar direito do número 6 da Rua Basílio Teles, em Lisboa, apenas o quarto e o corredor aparecem. E não é pouco. Cada uma das fotos carrega um sem-número de elementos, entre livros, quadros de Mário Botas e Paula Rego, estátuas, relógios, candeeiros, desenhos, azulejos, um guarda-chuva ou um gato pintado por Vieira da Silva, que preenchem completamente o plano. O comissário da exposição, António Gonçalves, descreve a casa nas fotos como “colagens de objectos em êxtase, uma colecção de imagens em rotação, uma constelação de astros em fuga, uma sucessão de sinais sagrados”.

Duarte Belo garante que nada foi preparado, mas surpreendeu-o que de “um dia para o outro os objectos e o próprio espaço mudasse constantemente, o que indicava a actividade constante do ‘surrealista’ e lembrava a frase escrita à entrada da porta da rua: “Impossível parar.” Ainda assim, Duarte Belo lembra que Cesariny sentia a falta de amigos e “percebia-se que a cabeça não parava, mas o corpo não correspondia”.

Se ainda fossem precisas provas de que o espaço era o do dia-a-dia, as fotos mostram os buracos do cigarro distraído que marcaram os lençóis da cama.

Anúncios

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão / Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão / Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão / Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão / Alterar )

Connecting to %s

%d bloggers like this: