P.A.M. – Património, Artes e Museus

Início » ciencia » Esqueletos de Jamestown identificados como membros proeminentes da colónia

Esqueletos de Jamestown identificados como membros proeminentes da colónia



Dentro da igreja de 1608 onde Pocahontas e John Rolfe casaram, foram descobertos durante uma escavação arqueológica de 2013, na histórica colónia de Jamestown na Virgínia os restos mortais de quatro dos primeiros colonos. Agora, esses ossos foram identificados como sendo de alguns dos líderes daquela primeira bem-sucedida tentativa britânica para forjar uma nova vida no novo mundo através do Atlântico.

O antropólogo forense Douglas Owsley, chefe de divisão do departamento de antropologia física no Museu Nacional de História Natural do Smithsonian, e sua equipe trabalharam com arqueólogos da Jamestown Rediscovery Foundation da Historic Jamestowne para saber ao certo quem os quatro homens eram.

Construída originalmente em barro e madeira, há muito que a estrutura original da igreja havia desaparecido. Os arqueólogos revisitaram os vestígios originais da igreja, há cinco anos.

Apenas cerca de 30 por cento de cada esqueleto foi recuperado, e os ossos estavam mal conservados, portanto descobrir quem os homens foram colocou um desafio que exigiu vários caminhos de investigação.

A primeira pista para sua identidade surgiu a partir do local de enterro na capela-mor, um espaço na frente da igreja ao redor do altar reservado para o clero. Somente membros proeminentes da comunidade teriam sido lá enterrados, por isso tornou-se claro que os homens tiveram um lugar de destaque entre os colonos.

Em seguida a equipe de pesquisa, apresentou uma pequena lista de homens proeminentes que morreram entre 1608 e 1617 e reduziu a lista de potenciais candidatos usando os poucos registos históricos que sobreviveram. Os esqueletos foram testados para determinar o sexo e idades aproximadas no momento da morte, peneirando através de genealogias detalhadas, analisou a dieta por meio de testes químicos e utilizou a digitalização por micro tomografia computorizada de alta resolução para revelar factos sobre os artefactos que foram enterrados com os homens.

Por fim, a equipe identificou os homens como:

  • Rev. Robert Hunt, o capelão de Jamestown e pastor anglicano da colónia, que morreu aos 39 anos em 1608
  • Capt. Gabriel Archer, que morreu aos 34 anos em 1609 ou 1610 durante o “tempo da fome”
  • Sir Ferdinando Wainman, que veio para Jamestown com o seu primo direito, o governador da Virgínia, e morreu com cerca de 34 anos em 1610
  • Capt. William West, que morreu em 1610 durante um confronto com os Powhatan aos 24 anos

Os homens viveram e morreram num ponto de viragem na história do colonato, quando ele estava à beira da falência devido à fome, doenças e conflitos. “Os esqueletos desses homens ajudaram a preencher a história das suas vidas e contribuir para o conhecimento existente sobre os primeiros anos em Jamestown”, diz Owsley.

Esta descoberta vem num momento crítico da história actual de Jamestown, já que a preservação desses materiais é ameaçada por mudanças em curso no solo e nos níveis de água no local. Jamestown é susceptível à elevação do nível das águas do mar,que alguns cientistas prevêem poder submergir a ilha até o final do século.

A carreira de Owsley foi marcada por muitas histórias que as descobertas antropológicas deram a conhecer ao mundo, incluindo o exame de Kennewick Man, um dos esqueletos mais antigos encontrados na América, e evidências de canibalismo em Jamestown. Instado a descrever a melhor parte de seu trabalho, ele diz: “Quando tudo fica claro – os momentos espectaculares quando se entende o que se está a passar.”

A equipe de Owsley, incluindo o antropólogo físico Kari Bruwelheide, a especialista em gestão de dados Kathryn Barca e o gestor do laboratório de microscopia de varredura electrónica Scott Whittaker, continuarão a documentar e a realizar pesquisas históricas, arqueológicas e genéticas sobre os esqueletos para entender melhor como era a vida no início do século 17 na área de Chesapeake.

O Departamento de digitalização 3D da Smithsonian digitalizou a escavação e arquivou os dados para que as pessoas em qualquer lugar os possam baixar e interagir com os locais de sepultura. Através dos seus ossos, as histórias destes homens continuam.

Colecção de modelos 3D da Smithsonian

Traduzido do original por P.A.M. – Património,Artes e Museus

Anúncios

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão / Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão / Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão / Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão / Alterar )

Connecting to %s

%d bloggers like this: