P.A.M. – Património, Artes e Museus

Início » design » Morreu o designer António Garcia

Morreu o designer António Garcia


Via

Criou os mais célebres maços da Tabaqueira, fez quase 60 capas de livros e trabalhou para 100 empresas. Os criadores da IKEA entusiasmaram-se com uma cadeira desmontável que projectou na década de 70. É um dos pioneiros do design nacional

O designer António Garcia morreu quarta-feira, dia 17 de Junho, aos 90 anos, em Lisboa. O velório realiza-se esta quinta-feira, dia 18 de Junho, e a missa será na sexta-feira, dia 19 de Junho, na Igreja da Encarnação no Chiado. O funeral realiza-se no mesmo dia a partir das 10 horas no Alto de São João, em Lisboa.

Recorde a reportagem que a SÁBADO fez em Julho de 2014 sobre um dos pioneiros do design no nosso país:

A conversa desenrola-se com as embalagens originais de SG Ventil, Gigante e Filtro guardadas num armário metálico de gavetas no ateliê do autor. Uma história de cinco décadas que começa com o mais blasé e antigo da tríade: o Ventil. Era consumido por mulheres de meia idade, urbanas, que acreditavam que este cigarro tinha o tamanho ideal. Pequeno, de sabor suave, destinava-se a quem não queria assumir o vício. Os homens que tentavam passar ao estatuto de não fumadores também aderiam à marca. Sorrateiramente, também se introduzia nos iniciados: adolescentes que roubavam um ou outro cigarro da mala da mãe para treinarem baforadas entre amigos, argolas, de preferência.

O maço cinzento, com logo azul -escuro e branco, queria passar uma imagem de vício socialmente aceite e descomprometido. Massificava-se, de forma discreta. Os consumidores não tinham o menor interesse em saber quem criara a embalagem.

Desvende-se a paternidade: o criador é de Lisboa, pertence à primeira grande geração de designers portugueses – é um dos três pioneiros (a par de Daciano da Costa e António Sena da Silva) –, o que tem a obra mais diversificada e o único ainda vivo. Trabalhou para uma centena de empresas e a 30 de Maio passado recebeu o doutoramento honoris causa da Faculdade de Belas -Artes da Universidade de Lisboa. Parêntesis: foi o primeiro designer a receber este prémio. Chama-se António Garcia e tem 89 anos. Outro parêntesis: no dia da condecoração foi instituído o Dia do Design Português, por proposta do mentor da homenagem, o professor de Design de Equipamento da faculdade, Paulo Parra. “Já todos vivemos com produtos dele, só não sabíamos que eram dele.”

António não é dado a formalismos. Prefere afirmar que tem “um ofício” e vai intercalando com “pá”. “Sou iletrado, não tenho formação académica”, diz. Dá uma gargalhada e continua: “Nem sabe o que foi escrever três linhas para agradecer, não tenho jeito.”

Colaboração com o Grupo Mello
O talento para o design gráfico evidenciou-se na Tabaqueira, que na época pertencia ao Grupo Mello.
Os patrões deram-lhe as iniciais como ponto de partida: SG. “Significa Sociedade Geral [uma empresa de navegação] que marcou o início dos ramos de actividade do grupo. O meu pai era o presidente da Tabaqueira, eu era pequeno quando surgiu a marca”, esclarece à SÁBADO Jorge de Mello, de 61 anos.

António recorda esta época no seu apartamento, numa rua esconsa do Bairro Alto. Senta-se no sofá, forrado a veludo (restos de um trabalho que fez), enquanto serve café e bolachas de chocolate. A casa nada tem de minimalista, como várias que criou na década de 70 em Cascais. É arrendada e fica no primeiro andar de um edifício de meados do século XVII, que em tempos pertenceu à aia de uma condessa (sem certezas, arrisca a de Unhão). Infiltrações nas paredes e nas janelas pedem obras urgentes mas, como pensionista, terá de as fazer com calma.

No tempo dos SGs, António fumava e trabalhava até de madrugada, 3h ou 4h, num ateliê da Avenida da Liberdade, no quarto andar. “Às vezes sabia -me mal um cigarro e atirava o maço pela janela fora. Passado meia hora, no máximo uma, ia à cervejaria da esquina comprar outro.”

Desprendido do dinheiro, admite que não soube negociar bem. Pelo design de cada maço – e fez muitos – cobrou apenas 1.000 escudos, 254 euros de acordo com a actual inflação. “Um dia, um americano disse-me que se vivesse nos Estados Unidos estava multimilionário, porque os tipos lá pagam em função do volume das vendas.”

Depois do SG Ventil, fez os maços Sintra (1965), SG Gigante (1966), Kayak (1966), Monserrate (1966), High Life (1966), SG Filtro (1968), Ritz (1970) e Plaza Internacional (1974).

O início: cartazes sobre milho
O mais novo de três irmãos, nascido a 3 de Fevereiro de 1925, filho de uma doméstica e de um comerciante, revelou tendência para as artes desde miúdo. Fazia alguns dos seus brinquedos – caixas com rodas, por exemplo. “Aos 13 anos já desenhava as separatas com construções de armar para o jornal O Mosquito”, conta o amigo Paulo Parra. Aos 15, frequentava o curso de desenhador litógrafo na Escola Industrial António Arroio. Aos 17, entrou para o mercado de trabalho através de um anúncio. Procuravam ilustradores nos jornais, telefonou para o número indicado e do outro lado responderam: “Direcção-Geral dos Serviços Agrícolas.” António pensou tratar-se de um engano: um organismo estatal a colocar anúncios? Pediram-lhe que não desligasse, que aguardasse um momento. A proposta foi informal. “Você seria capaz de fazer umas coisas, umas perspectivas e tal? Então traga o estojo de desenho.”

Lançou-se na carreira como desenhador do Ministério de Economia. Ao fim de um ano a criar cartazes sobre o milho, ou sobre tratamentos para o escaravelho da batata, o chefe percebeu o potencial que ele tinha e deixou-o fazer uns part-times, depois das 16h. Foi assim que começou a parceria com António Sena da Silva, outro pioneiro do design, para a empresa de baterias automóveis Autosil. “Fazíamos tudo, do mobiliário aos cartazes, porque eles também eram representantes de uns carros franceses.”

Por essa altura, em 1950, ainda era mal pago. Casou com Maria de Lurdes Gomes da Silva e foram viver para São Pedro do Estoril. Só precisava de atravessar a rua para chegar à praia. “À hora de almoço ia ter comigo e com o Zé Manel [filho mais velho, hoje com 60 anos] à praia. Almoçava, apanhava o comboio e voltava para o ateliê”, conta a mulher, com 90 anos.

As 59 capas de livros
Nesse ano, fez o design de interiores da gelataria Veneziana, nos Restauradores. Em 1954, acumulou mais uma função: a de capista. Criou 59 capas para a editora Ulisseia. Guta Moura Guedes destaca uma. “A imagem vermelha, com o arame farpado a negro, do Adeus às Armas, do Hemingway, acompanha-me sempre”, diz a mentora do Experimenta Design. Podia demorar oito dias a ter uma ideia, ou isso acontecer de um dia para o outro.

Figueiredo de Magalhães, o editor, dava-lhe duas folhas A4 com um resumo da obra. Ao fim de 15 dias tinha de entregar o resultado, feito a guache. “Eram os melhores da época! As capas também vendem”, recordou Figueiredo de Magalhães a Sofia Pessoa, que em 2006 concluiu uma tese de mestrado sobre a carreira do designer, Zeitgeist – O Espírito do Tempo, António Garcia, na Faculdade de Belas -Artes.

Designers da Ikea interessados
A museóloga, de 48 anos, amiga de família, recorda-se de lhe ter feito uma promessa aos 18. “Um dia vou fazer com que a sua obra seja conhecida.” Após cinco anos de investigação, a reunir o acervo do designer, a procurar capas de livros em alfarrabistas e a pedir a uma antiga colaboradora de António, Assunção Vitorino, que recuperasse do lixo esboços do projecto, conseguiu acabar a tese.

Apresentou-a, em Junho de 2010, no Museu do Design e da Moda (Mude), onde estiveram expostas 138 peças doadas pelo autor. Em dois meses, a exposição foi vista por 40 mil pessoas.

Bárbara Coutinho, directora do Mude, lembra-se de ter recebido uma comitiva especial: 17 designers estrangeiros da Ikea. Ficaram fascinados com uma peça – a cadeira desmontável de pinho e pele, Osaka, projectada em 1970 para a Exposição Universal na mesma cidade, no Japão. “Isto é óptimo”, disseram à directora, pedindo-lhe que enviasse o projecto para eventual comercialização. Há oito meses, quando tentava recuperar a história do edifício do Mude, onde já funcionou o Banco Nacional Ultramarino, Bárbara encontrou outros esboços. “Descobri os projectos do auditório do BNU, em papel vegetal.” Autor: António Garcia.

António nem sabe ao certo de onde lhe vêm as ideias, como a de fazer uma mesa de mármore aquecida por uma resistência, porque a cliente se queixava que o tampo era frio (na década de 70). Ou a de pegar numa bola de pingue-pongue, desenhar-lhe um coração e pô-la a bater como aquele órgão – para um selo do mês internacional do coração (1972). Ou ainda a do tecto com canudos iluminados para o Hotel Alvor (1968), ou das paredes forradas a teca – que usou no quarto do Presidente Américo Tomás, no paquete Príncipe Perfeito (1963). A lista seria infindável. Hoje tem um lamento: “O tempo chegava-me para tudo e agora que não tenho que fazer o tempo não me chega para nada.”

António não esquece também os momentos de stress, por exemplo nas vésperas de abertura dos expositores que projectava para standes internacionais. Recorda-se de uma vez ter ido chorar para uma casa de banho, porque a dois dias da abertura as placas da estrutura de esferovite se descolaram.

capa_antónio_garciacapa_antónio_garcia01
cigarros_antonio_garcia

Anúncios

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão / Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão / Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão / Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão / Alterar )

Connecting to %s

%d bloggers like this: